segunda-feira, 6 de março de 2017

Quem são os políticos mencionados pelos delatores da empreiteira odebrecht

Os depoimentos prestados por funcionários e ex-funcionários da Odebrecht em 77 acordos de delação premiada foram homologados pela presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Cármen Lúcia, após a morte do ministro relator Teori Zavascki em jan.2017. As declarações poderão ser usadas em inquéritos e ações penais. Veja quais políticos já foram implicados nas delações.
Ordenar por:
  
Partido:
 

ADOLFO VIANA (PSDB-BA)

Deputado estadual
Apelido: Jovem
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 50 mil na campanha de 2010, após pedido do deputado federal Jutahy Magalhães (PSDB-BA)
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):50 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Afirmou por meio de nota que todas as doações recebidas foram declaradas, lícitas e sem exigir qualquer contrapartida. Disse também estar "profundamente indignado com o teor das notícias veiculadas"

AÉCIO NEVES (PSDB-MG)

Senador
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:O delator menciona Aécio, mas diz não ter participado de tratativas de pagamentos a ele. Segundo as planilhas da Odebrecht, "mineirinho" é apontado como destinatário de R$ 15 milhões entre 7 de outubro e 23 de dezembro de 2014. Há a suspeita de que o apelido se refira a Aécio
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):15 milhões

Outro lado:Valor foi registrado no TSE, segundo PSDB mineiro; Aécio desconhece citações

ANDERSON DORNELLES (PT-RS)

Ex-assessor da presidente Dilma Rousseff
Apelido: Las Vegas
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro a Marcelo Odebrecht, recebendo R$ 150 mil em 2013 e R$ 200 mil em 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2013 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):350 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Afirmou, em nota, que nunca esteve em reunião na sede da Odebrecht e que não recebeu nem solicitou ajuda financeira, nem autorizou terceiros a isso

ANTONIO BRITO (PSD-BA)

Deputado federal
Apelido: Misericórdia
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 7 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro na campanha de 2010 e recebeu R$ 100 mil via caixa dois. Também recebeu doação de R$ 130 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):230 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

ANTÔNIO IMBASSAHY (PSDB-BA)

Deputado federal
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu cerca de R$ 300 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Mostrou-se solidário com Marcelo Odebrecht
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):299,7 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

ANTONIO PALOCCI (PT-SP)

Ex-ministro dos governos Lula e Dilma
Situação judicial na Lava Jato: 
Réu
Foi 12 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:O delator menciona Palocci, mas diz que não participou de tratativas de suposto pagamento e que o ex-ministro falava diretamente com Marcelo Odebrecht
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Aparece citado como interlocutor para tratar de questões tributárias ligadas à empresa Odebrecht

ARTHUR MAIA (PPS-BA)

Deputado federal
Apelido: Tuca
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 6 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 250 mil em 2010 via caixa dois e doação de R$ 350 mil em 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):600 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

ARTHUR VIRGÍLIO (PSDB-AM)

Prefeito de Manaus
Apelido: Kimono
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi uma vez citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 300 mil na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):300 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Disse que recebeu, em 2010, R$ 80 mil Leyroz de Caixias Indústria, Comércio e Logística, uma subsidiária da Odebrecht, com registro na Justiça Eleitoral. Afirmou que nunca apresentou emenda ao Orçamento que beneficiasse a Odebrecht. Informou que processará o delator Claudio Melo Filho e a Odebrecht por difamação

BENITO GAMA (PTB-BA)

Ex-deputado federal
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu doação de R$ 30 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):30 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

Outro lado:A doação consta da prestação de contas à Justiça Eleitoral. Afirma ainda que não era deputado federal em 2014 e que, na época, a fonte doadora era legítima e legal

BRUNO ARAÚJO (PSDB-PE)

Ministro das Cidades
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:O delator apenas diz ter tido contato frequente com o deputado, com quem tinha boa relação profissional e pessoal
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Indicou o delator para receber a Medalha do Mérito Legislativo em 2012. Também tratou de renovação dos contratos de energia no Nordeste com o delator

CARLINHOS ALMEIDA (PT-SP)

Prefeito de São José dos Campos
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 50 mil na campanha de 2012
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Defendeu interesses da Odebrecht na discussão da Medida Provisória 544/2011, que concedeu incentivos à indústria de defesa
Ano: 2012
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):50 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

Outro lado:Afirmou por meio de nota que recebeu doações legais de empresas do setor de defesa como Embraer, a Avibras e a Odebrecht Defesa e Tecnologia. Disse também que a discussão da MP 544/2011, que relatou na Câmara, foi concluída antes de ser candidato a prefeito em 2012. Afirmou que nenhum fato relatado sobre ele na delação de Claudio Melo Filho constituiu crime ou ato antiético e que "o único benefício resultante da MP 544/2011 foi o fortalecimento da indústria de defesa, com geração de empregos"

CIRO NOGUEIRA (PP-PI)

Senador
Apelido: Cerrado, Piqui
Situação judicial na Lava Jato: 
Alvo de inquérito
Foi 10 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro e recebeu R$ 1,6 mi nas campanhas de 2010 e 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Agendou audiências com autoridades para tratar de assuntos da Odebrecht e apoiou interesses da empresa na discussão da Medida Provisória 656/2014
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):1,6 mi
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:O senador, pela assessoria, divulgou nota do Partido Progressista: "As doações recebidas pelo Partido Progressista foram legais e sempre devidamente declaradas à Justiça Eleitoral"

CLAUDIO CAJADO (DEM-BA)

Deputado federal
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 305 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):305 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

Outro lado:Afirma que a doação foi oficial e declarada, e feita em razão de ele ser representante da região metropolitana de Salvador, onde a empresa tem negócios

COLBERT MARTINS (PMDB-BA)

Suplente de deputado federal, eleito vice-prefeito de Feira de Santana (BA)
Apelido: Médico
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 150 mil na campanha de 2010 via caixa dois, após pedido de Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Michel Temer. Também recebeu R$ 441 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):591,4 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

DANIEL ALMEIDA (PC DO B-BA)

Deputado federal
Apelido: Comuna
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 100 mil na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Empresa esperava ajuda após ganhar concessão do estádio Fonte Nova, em Salvador (BA)
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):100 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

DELCIDIO DO AMARAL (EX-PT-MS)

Ex-senador
Apelido: Ferrari
Situação judicial na Lava Jato: 
Réu
Foi 4 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro e recebeu R$ 500 mil
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apoiou interesses da Odebrecht na discussão do PRS 72/2010, que garantiu tratamento tributário favorável a operações de interesse de empresas da Odebrecht
Ano: 2012
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):500 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

DUARTE NOGUEIRA (PSDB-SP)

Deputado federal, eleito prefeito de Ribeirão Preto
Apelido: Corredor
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 6 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro na campanha de 2010 e recebeu R$ 350 mil via caixa dois. Em 2014, recebeu doação de R$ 300 mil
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Prometeu apoiar interesses da Odebrecht na disputa em torno das usinas do rio Madeira em 2008
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):650 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Afirma que todas as doações recebidas em suas campanhas eleitorais foram regularmente declaradas e aprovadas pelo TSE. Para ele, são prematuras especulações em torno de delações ainda não homologadas. Diz ainda que nunca participou, nem como suplente, da Comissão de Minas e Energia da Câmara, citada pelo delator. Afirma também que é favorável às investigações

EDUARDO CUNHA (PMDB-RJ)

Ex-deputado federal
Apelido: Caranguejo
Situação judicial na Lava Jato: 
Réu
Foi 35 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, e Paulo Cesena, ex-presidente da Odebrecht Transport
O que fez, segundo a delação:Segundo o delator Claudio Melo Filho, Cunha recebeu R$ 7 milhões na campanha de 2010, mas o próprio delator lista pagamentos no valor total de R$ 10,5 milhões. Em 2014, recebeu do ministro Eliseu Padilha R$ 1 milhão dos R$ 10 milhões prometidos por Marcelo Odebrecht a Michel Temer. Segundo o jornal "O Globo", outro delator, Paulo Cesena, diz que Cunha recebeu R$ 4,6 milhões da empresa
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apoiou interesses da Odebrecht na área de energia e não criou dificuldades para pedidos da Odebrecht Transport ao Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS)
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):16,1 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Defesa refuta qualquer suspeita relacionada ao tema

EDVALDO BRITO (PSD-BA)

Vereador
Apelido: Candomblé
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi uma vez citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 300 mil na campanha de 2010 a pedido do filho, o deputado federal Antonio Brito
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):300 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

ELISEU PADILHA (PMDB-RS)

Ministro da Casa Civil
Apelido: Primo
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 45 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Participou de jantar em que Michel Temer pediu apoio à Odebrecht para campanhas do PMDB em 2014. Também recebeu, via caixa dois, R$ 4 milhões dos R$ 10 milhões prometidos por Marcelo Odebrecht a Temer. Ele cobrou apoio financeiro da empreiteira para o PMDB após assumir Secretaria de Aviação Civil
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Agendou reuniões com Michel Temer para tratar de assuntos de interesse da Odebrecht
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):4 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Diz que não foi candidato em 2014, que nunca tratou de arrecadação para deputados e que a acusação é uma mentira

EUNICIO OLIVEIRA (PMDB-CE)

Senador
Apelido: Índio
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 16 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 2,1 milhões via caixa dois
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apoiou interesses da Odebrecht na discussão da Medida Provisória 613/2013, que concedeu incentivos fiscais que beneficiaram indústrias químicas e produtores de etanol
Ano: 2013 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):2,1 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Diz que nunca autorizou o uso de seu nome por terceiros e jamais recebeu recursos para a aprovação de projetos ou apresentação de emendas legislativas. Afirma que as doações da Odebrecht foram declaradas

FLÁVIO DOLABELLA (SEM PARTIDO)

Funcionário público
Apelido: Fazendeiro
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 8 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu dinheiro após entregar atas de comitê do governo que decide questões relativas a financiamento a exportações
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Entregou à Odebrecht atas de reuniões do Cofig (Comitê de Financiamento e Garantia das Exportações)
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):45 mil

FRANCISCO DORNELLES (PP-RJ)

Vice-governador do Rio
Apelido: Velhinho
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 10 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 200 mil na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apresentou emenda ao PLC 32/2007, que introduz mudanças na Lei 8.666/1993, a Lei de Licitações
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):200 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

GEDDEL VIEIRA LIMA (PMDB-BA)

Ex-ministro dos governos Michel Temer e Lula
Apelido: Babel
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 67 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 1 milhão na campanha de 2006 (a delação não indica se via caixa dois ou doação). Em 2008, quando concorreu a prefeito de Salvador, recebeu doações da empreiteira. Em 2010, quando concorreu a governador, recebeu R$ 1,5 milhão via caixa dois e doação de R$ 680 mil da Braskem, empresa da Odebrecht. Na eleição para senador, em 2014, recebeu um total de R$ 2,7 milhões da Odebrecht e da Braskem. Além disso, recebeu 3% de propina para liberar recursos do Ministério da Integração Nacional para obra da Odebrecht. Também ganhou um relógio Patek-Philippe ao completar 50 anos no valor de US$ 25 mil
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Liberou recursos do Ministério da Integração Nacional para obra da Odebrech e apresentou emenda à Medida Provisória 252/2005 a pedido da Odebrecht
Ano: 2005, 2006, 2008, 2009, 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):5,88 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

GERALDO ALCKMIN (PSDB-SP)

Governador de São Paulo
Apelido: Santo
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
É citado por:
Carlos Armando Paschoal, ex-diretor da Odebrecht em São Paulo e um dos responsáveis por negociar doações eleitorais para políticos
O que fez, segundo a delação:Delator diz que a empresa realizou pagamento de caixa dois, em dinheiro vivo, para as campanhas de 2010 e 2014. Ao menos R$ 2 milhões teriam sido pagos
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):2 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Diz que são prematuras conclusões com base em vazamentos de delações não homologadas

GILBERTO KASSAB (PSD-SP)

Ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações
Apelido: Kafta
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi uma vez citado na delação
É citado por:
Paulo Cesena, ex-presidente da Odebrecht Transport, e Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Segundo o jornal "O Globo", Paulo Cesena diz que, entre 2013 e 2014, Kassab recebeu R$ 14 milhões da Odebrecht. Claudio Melo Filho também cita pagamento ao ministro, mas diz que não participou do acerto
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2013 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):14 milhões

Outro lado:Afirma que é preciso ter cautela com afirmações ainda não homologadas pela Justiça. Diz ainda que doações às campanhas dele, de companheiros do PSD, de aliados e ao partido foram feitas dentro da lei

GIM ARGELLO (PTB-DF)

Ex-senador
Apelido: Campari
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 22 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 1,5 milhão na campanha de 2010 via caixa dois. Em 2014, recebeu R$ 1 milhão também por caixa dois e R$ 300 mil em doação
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apresentou emenda à medida provisória 599/2012 a pedido da Odebrecht
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):2,8 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

GUIDO MANTEGA (PT)

Ex-ministro de Lula e Dilma
Situação judicial na Lava Jato: 
Alvo de inquérito
É citado por:
Paulo Cesena, ex-presidente da Odebrecht Transport
O que fez, segundo a delação:Segundo o jornal "O Globo", Paulo Cesena diz que a Odebrecht emprestou, entre 2007 e 2009, R$ 3,5 milhões à Editora Confiança, responsável pela revista "Carta Capital", a pedido de Mantega
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2007 a 2009

Outro lado:A defesa afirmou que desconhece o assunto

HERÁCLITO FORTES (PSB-PI)

Deputado federal
Apelido: Boca mole
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 8 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 200 mil na campanha de 2010 via caixa dois. Pediu apoio financeiro na campanha de 2014 e recebeu R$ 50 mil em doação
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Fez análises políticas para a empresa e ajudou a resolver situação de funcionário morto no Iraque
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):250 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Diz que doações foram pagas legalmente e registradas na Justiça Eleitoral

HUGO NAPOLEÃO (PSD-PI)

Ex-governador, ex-deputado e ex-senador pelo Piauí
Apelido: Diplomata
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 100 mil na campanha de 2010 por meio de caixa dois. Pediu apoio financeiro na campanha de 2014 e recebeu R$ 100 mil em doação
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):200 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

INALDO LEITÃO (PL-PB)

Ex-deputado federal
Apelido: Todo Feio, Cunhado
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 100 mil na campanha de 2010 via caixa dois
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):100 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

IRACEMA PORTELLA (PP-PI)

Ex-deputada federal
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi uma vez citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 500 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):500 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

Outro lado:Afirma que todas as doações recebidas foram declaradas em prestações de contas devidamente entregues à Justiça Eleitoral

JACQUES WAGNER (PT-BA)

Ex-ministro do governo Dilma e ex-governador da Bahia
Apelido: Polo
Situação judicial na Lava Jato: 
Alvo de inquérito
Foi 37 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu a Marcelo Odebrecht apoio financeiro para concorrer a governador e recebeu R$ 3 milhões na campanha de 2006. Em 2010, recebeu R$ 7,5 milhões via caixa dois. Já em 2014, pediu apoio financeiro para Rui Costa e conseguiu R$ 10 milhões. Também ganhou relógios de aniversário em duas ocasiões no valor total de US$ 24 mil dólares
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Como ministro do governo Dilma, a pedido de Emilio Odebrecht, buscou solução para empresas atingidas pela Lava Jato que queriam continuar fazendo negócios com o governo. Como governador da Bahia, ajudou a resolver pendências da empresa com o governo do Estado
Ano: 2006, 2010, 2012, 2014 e 2015
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):20,5 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Nega que doações de recursos campanha feitas pela Odebrecht seriam uma contrapartida a medidas adotadas pelo governo

JOÃO ALMEIDA (PSDB-BA)

Ex-deputado federal
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 500 mil na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Defendeu interesses da Odebrecht na Câmara e no TCU
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):500 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

JORGE VIANA (PT-AC)

Senador
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
É citado por:
Não identificado
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 300 mil em dinheiro vivo da empreiteira em 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é mencionado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):300 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Afirma que não pediu ou recebeu recursos ilegais e que considera as suposições absurdas

JOSÉ AGRIPINO MAIA (DEM-RN)

Senador
Apelido: Pino, Gripado
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 9 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 1 milhão na campanha de 2014, quando não era candidato, após pedido de Aécio Neves a Marcelo Odebrecht. Também recebeu contribuição de valor indeterminado na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Recebeu estudo sobre problemas na área de energia durante a campanha eleitoral
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):1 milhão
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Afirma que não foi candidato em 2014 e que repele os fatos citados

JOSÉ CARLOS ALELUIA (DEM-BA)

Deputado federal
Apelido: Missa
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 4 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 300 mil na campanha de 2010 via caixa dois e doações de R$ 280 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):580 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

JOSÉ SERRA (PSDB-SP)

Ministro das Relações Exteriores
Apelido: Vizinho, Careca
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
É citado por:
Pedro Novis, presidente do conglomerado de 2002 a 2009 e atual membro do conselho administrativo da holding Odebrecht S.A, e o ex-diretor Carlos Armando Paschoal, que atuava no contato junto a políticos de São Paulo
O que fez, segundo a delação:Dois delatores afirmam que a empresa pagou R$ 23 mi via caixa dois à campanha de Serra na eleição de 2010; dinheiro teria sido pago em contas na Suíça
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):23 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Afirma que campanha foi de acordo com lei eleitoral; finanças eram responsabilidade do PSDB

JOSÉ YUNES (PMDB-SP)

Assessor especial da Presidência da República e amigo de Michel Temer
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Escritório do advogado amigo de Michel Temer recebeu parte dos R$ 10 milhões prometidos por Marcelo Odebrecht a Temer
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):Valor não determinado
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Nega ter recebido da Odebrecht qualquer quantia em dinheiro na campanha de 2014

JUTAHY MAGALHÃES (PSDB-BA)

Deputado federal
Apelido: Moleza
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 6 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 350 mil na campanha de 2010 via caixa dois, além de doação de R$ 500 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Era visto como aliado pela empresa
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):850 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Afirma que todas as doações para suas campanhas de 2010 e 2014 foram recebidas de forma lícita e estão registradas no TSE. Diz também que defende os interesses da Bahia e do Brasil. "Em 2010 recebi menos do que consta na delação e em 2014 mais do que o valor citado e tudo legal em ambas campanhas", diz.

KÁTIA ABREU (PMDB-TO)

Senadora
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro e recebeu valor indeterminado
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: Não é indicado
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):Não é indicado

LEUR LOMANTO JUNIOR (PMDB-BA)

Deputado estadual
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 250 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):250 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

Outro lado:Afirmou por meio de nota que o valor mencionado na delação foi originado de doações oficiais de campanha "conforme recibos nos números: 150150700000BA000039; 0150150700000000BA040;150150700000BA000045, informações essas disponibilizadas no site do TSE". Ele disse ainda que sua prestação de contas das eleições de 2014 foi aprovada pelo Tribunal Regional Eleitoral

LÍDICE DA MATA (PSB-BA)

Senadora
Apelido: Feia
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 200 mil na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Ignorou pedido de ajuda para projeto de turismo apoiado pela Odebrecht na Bahia
Ano: 2010
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Diz que o próprio delator reconheceu que ela não atendeu pedido da Odebrecht e que não tem qualquer tipo de relação de negócios com a empresa. Afirma que todas as doações recebidas foram dentro da legalidade e devidamente declaradas

LUCIO VIEIRA LIMA (PMDB-BA)

Deputado federal
Apelido: Bitelo
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 7 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Irmão do ministro Geddel Vieira Lima, pediu contribuição financeira durante a discussão da Medida Provisória 613/2013 e recebeu de R$ 1 milhão a R$ 1,5 milhão. Também recebeu doação de R$ 400 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apoiou interesses da Odebrecht na discussão da Medida Provisória 613/2013, que concedeu incentivos fiscais que beneficiaram indústrias químicas e produtores de etanol
Ano: 2013 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):1,9 milhão
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

LULA (PT-SP)

Ex-presidente
Situação judicial na Lava Jato: 
Réu
É citado por:
Emilio Odebrecht, presidente do Conselho de Administração, Alexandrino Alencar, ex-diretor de Relações Institucionais, Marcelo Odebrecht, ex-presidente do grupo, e Paulo Melo, ex-diretor-superintendente da Odebrecht Realizações Imobiliárias
O que fez, segundo a delação:O patriarca da Odebrecht, Emilio Odebrecht, menciona Lula em sua delação; a Arena Corinthians teria sido construída como presente ao petista. O ex-diretor de Relações Institucionais Alexandrino Alencar menciona a reforma que a Odebrecht fez em sítio frequentado pelo ex-presidente em Atibaia (SP). Alencar, Marcelo Odebrecht, ex-presidente da Odebrecht, e Paulo Melo, ex-diretor-superintendente da Odebrecht Realizações Imobiliárias, afirmam que a empresa comprou, em 2010, um imóvel no valor de R$ 7,6 milhões para a nova sede do Instituto Lula
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):7,6 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:A defesa do ex-presidente Lula refuta que ele tenha recebido recursos ilícitos da Odebrecht. O Instituto Lula afirma que delações não são provas

MARCO MAIA (PT-RS)

Deputado federal
Apelido: Gremista
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 9 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro na campanha de 2014 e recebeu R$ 1,35 milhão
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):1,35 milhão
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

MICHEL TEMER (PMDB-SP)

Presidente da República
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 43 vezes citado na delação
É citado por:
Márcio Faria, ex-presidente da Odebrecht Engenharia Industrial, e Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Segundo o delator Márcio Faria, Temer participou de reunião, em 2010, para tratar de doações à campanha do PMDB em troca de facilitar a atuação da empreiteira em projetos da Petrobras. Temer era deputado federal e candidato a vice na chapa de Dilma Rousseff à época. A reunião teve a presença do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e de João Augusto Henriques, apontado como um dos lobistas do PMDB na Petrobras. De acordo com Claudio Melo Filho, Temer pediu a Marcelo Odebrecht apoio para campanhas do PMDB em 2014 e recebeu a promessa de que a empresa daria R$ 10 milhões ao partido. Segundo o delator, o dinheiro foi entregue a Paulo Skaf (PMDB) e ao ministro Eliseu Padilha (PMDB)
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:O delator afirma que Temer recebeu nota da Odebrecht sobre interesses da empresa em Portugal antes de uma viagem para aquele país
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):10 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Sobre o encontro, diz que foi organizado por Eduardo Cunha e não tratou de de valores e obras ou projetos nos quais a Odebrecht poderia atuar. Afirma que a contribuição de campanha acertada com o empresário Marcelo Odebrecht foi feita por meio de transferência bancária e registrada na Justiça Eleitoral e que não houve recebimento destes recursos em dinheiro

MOREIRA FRANCO (PMDB-RJ)

Secretário do Programa de Parcerias em Investimentos do governo de Michel Temer
Apelido: Angorá
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 34 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, e Paulo Cesena, ex-presidente da Odebrecht Transport
O que fez, segundo a delação:Segundo Claudio Melo Filho, Moreira pediu apoio financeiro para o PMDB nas eleições de 2014 durante reunião para tratar de assuntos de interesse da Odebrecht no aeroporto do Galeão. O jornal "O Globo" afirma que, segundo Paulo Cesena, Moreira recebeu R$ 4 milhões em nome do PMDB em 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Segundo Paulo Cosena, o objetivo era ter livre acesso a Moreira, então ministro da Aviação Civil de Dilma Rousseff
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):4 milhões

Outro lado:Afirma que jamais falou de política ou de recursos para o PMDB com os delatores

ORLANDO SILVA (PC DO B-SP)

Deputado federal
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi uma vez citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro na campanha de 2014 e recebeu R$ 100 mil
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):100 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

Outro lado:Diz que doações eleitorais feitas pelo grupo Odebrecht à campanha de 2014 foram realizadas dentro dos marcos legais do período, que ainda previa a contribuição de empresas, e que as doações foram registradas na Justiça Eleitoral. Afirma ainda que as doações foram feitas sem qualquer exigência ou compromisso de qualquer retribuição ou contrapartida

PAES LANDIM (PTB-PI)

Deputado federal
Apelido: Decrépito
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 4 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 100 mil na campanha de 2010 via caixa dois. Em 2014, recebeu R$ 80 mil em doação
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Elogiou a empresa em discursos no plenário
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):180 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Afirma que as doações recebidas foram contabilizadas, registradas e transparentemente declaradas à Justiça Eleitoral. Diz que jamais recebeu recurso via caixa dois e jamais agiu na defesa dos interesses da Odebrecht ou de qualquer outra empresa

PAULO HENRIQUE LUSTOSA (PP-CE)

Deputado federal
Apelido: Educador
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 100 mil na campanha de 2010 por meio de caixa dois e mais R$ 100 mil, em 2014, por meio de doações
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):200 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

PAULO MAGALHÃES JUNIOR (PV-BA)

Vereador
Apelido: Goleiro
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 50 mil na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):50 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

PAULO SKAF (PMDB-SP)

Presidente da Fiesp
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi uma vez citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 6 milhões dos R$ 10 milhões prometidos por Marcelo Odebrecht a Michel Temer
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):6 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Afirmou por meio de nota que nunca pediou ou autorizou que pedissem doações de campanha "que não as regularmente declaradas em suas prestações de contas" e que as prestações foram aprovadas pela Justiça Eleitoral

RENAN CALHEIROS (PMDB-AL)

Presidente do Senado
Apelido: Justiça
Situação judicial na Lava Jato: 
Denunciado
Foi 60 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 500 mil na campanha de 2010 via caixa dois. Também pediu apoio financeiro para a campanha do filho a governador de Alagoas, em 2014, durante reunião com executivos da Braskem e recebeu as quantias de R$ 320 mil e R$ 1,2 milhão em doações. Ainda recebeu, com o senador Romero Jucá (PMDB-RR), R$ 4 milhões via caixa dois
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apresentou emenda de interesse da Odebrecht à Medida Provisória 579/2012, sobre o setor de energia. Apoiou interesses da Odebrecht na renovação dos contratos de concessão do setor elétrico, incluindo emendas à Medida Provisória 677/2015. Também apoiou interesses da Odebrecht na discussão da Medida Provisória 613/2013, que concedeu incentivos fiscais que beneficiaram indústrias químicas e produtores de etanol. E apoiou 34 emendas apresentadas por Romero Jucá a 9 medidas provisórias para solucionar pendência da Odebrecht em contratos com a Chesf
Ano: 2010, 2013, 2014 e 2015
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):6,02 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Afirma que jamais autorizou que terceiros falassem em seu nome e que chance de se encontrar irregularidades em suas contas pessoais ou eleitorais é zero

ROBÉRIO NEGREIROS (PSDB-DF)

Deputado distrital
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 50 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):50 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

RODRIGO MAIA (DEM-RJ)

Presidente da Câmara dos Deputados
Apelido: Botafogo
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 500 mil na campanha de 2010. Pediu contribuição financeira para cobrir gastos de sua campanha a prefeito em 2012 e recebeu R$ 100 mil
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apoiou interesses da Odebrecht na discussão da Medida Provisória 613/2013, que concedeu incentivos fiscais que beneficiaram indústrias químicas e produtores de etanol
Ano: 2010 e 2013
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):600 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Todas as doações eleitorais recebidas foram legais e devidamente declaradas ao TSE. Nega ter participado de qualquer tipo de negociação com a Odebrecht para aprovação de medida provisória ou de outra proposta legislativa

ROMÁRIO (PSB-RJ)

Senador
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
O que fez, segundo a delação:Segundo o delator, um diretor da Odebrecht lhe pediu que doasse para a campanha de Romário, mas, seguindo orientações de outro diretor, a contribuição não foi feita

ROMERO JUCÁ (PMDB-RR)

Senador
Apelido: Caju
Situação judicial na Lava Jato: 
Alvo de inquérito
Foi 105 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu para apoiar interesses da Odebrecht durante a discussão de três projetos de lei e 11 medidas provisórias no Congresso. Em 2006, recebeu apoio financeiro na campanha, mas o valor não foi especificado. Recebeu R$ 4 milhões via caixa dois após atender a interesse da Odebrecht na discussão do PRS 72/2010. Segundo o delator, recebeu mais R$ 6 milhões em caixa dois para ajudar a Odebrecht a resolver pendências relativas ao contrato da usina hidrelétrica de Santo Antonio, mas os pagamentos somam R$ 7 milhões. Pediu apoio financeiro para senadores do PMDB durante a discussão da Medida Provisória 613/2013 e recebeu R$ 4 milhões via caixa dois. Também pediu contribuição para a campanha do filho em Roraima e recebeu R$ 150 mil em doação eleitoral. Durante a discussão da Medida Provisória 627/13 recebeu, segundo o delator, R$ 5 milhões, mas os pagamentos, via caixa dois, somam R$ 9,83 milhões
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apoiou interesses da Odebrecht nas discussões das medidas provisórias 449/2008, 460/2009, 470/2009, 472/2009, 579/2012 e do PLC 6/2009. Também apoiou interesses da empresa nas medidas provisórias 252/2005 e 255/2005, que concederam incentivos fiscais a vários setores e beneficiaram a Braskem. Apoiou emenda de interesse da Odebrecht no PLC 32/2007, que introduz mudanças na Lei 8.666/1993, a Lei de Licitações. Apoiou o PRS 72/2010, que garantiu tratamento tributário favorável a operações de interesse de empresas da Odebrecht. Ajudou a empresa a resolver pendências relativas ao contrato da usina hidrelétrica de Santo Antonio. Apoiou emenda de interesse da Abiquim e da CNI à Medida Provisória 563/2012. Apresentou 34 emendas a 9 medidas provisórias para solucionar pendência da Odebrecht em contratos com a Chesf. Ainda apoiou interesses da Odebrecht na Medida Provisória 613/2013, que concedeu incentivos fiscais que beneficiaram indústrias químicas e produtores de etanol. Apresentou 4 emendas à Medida Provisória 651/2014, que garantiu vários benefícios a empresas. Também apoiou interesses da empreiteira na Medida Provisória 627/2013, que garantia tratamento tributário mais vantajoso para lucros obtidos no exterior
Ano: 2006 a 2015
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):24,98 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Afirma desconhecer a delação e nega ter recebido recursos para o PMDB. Afirmou que, na condição de líder do governo, sempre tratou com várias empresas, mas em relação à articulação de projetos que tramitavam na Casa